para compartilhar sabores e lembranças olfativas daqui e de outras terras...como o nhoque da nona, o arroz com bacalhau de vovô, as almondegas de minha mãe, o risoto de linguiça do meu pai, o thanksgiving dinner da mammy, o german chocolate cake da cindy, o doce de leite de tia mercedes, o doce de cidra da aninha, o doce de mamão da célia, o doce de pera da margarida, as pimentas da celha, os bolos da semiramis, os patês da rosana e por ai vai....


segunda-feira, 6 de abril de 2015

mini brioche #126


acho mini brioches perfeitos para sanduíches especialmente para quem gosta de pães ligeiramente adocicados e amanteigados
estes fiz para uma festa, foram servidos para acompanhar frios e patês.
como foram muitos e ficaram numa cesta, optei por este formato, apenas cortes sem a bolinha.



mini brioches

4 xícaras de farinha aproximadamente
3 ovos
1 xícara de leite morno
1 tablete de 100 g de manteiga
6 colheres de sopa de açúcar
1 colher de sobremesa de sal
1 colher de sobremesa de fermento biológico seco

misture o secos, exceto ao sal com 3 xícaras de farinha, dissolva manteiga no leite morno e bata ligeiramente os ovos, junte tudo e misture agregando durante a sova a xícara restante (ou mais) de farinha e o sal, sove ate ficar uma massa homogênea, deixe crescer ate dobrar de volume, em seguida abaixe a massa, sove mais um pouco,  forme  bolinhas de 50 g aproximadamente, corte na parte superior em cortes paralelos nas laterais, sem juntar os cortes, deixe crescer novamente e pincele gema com uma pitada de açúcar e 2 colheres de agua antes de levar ao forno.

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

sábado, 28 de março de 2015

PAP naked morango


esta postagem  responde uma pergunta muito frequente,
como montar um naked cake
a massa usada foi  de um bolo simples,  pão de ló  de laranja, cortado em três partes.

o primeiro e o segundo recheios são iguais, cremes espalhado no centro, com espátula, morangos nas laterais e pitangas entre os morangos










repare que o bolo já tem resíduos de açúcar, pois ainda na assadeira recebe uma camada fina de açúcar, truque para não grudar no prato na hora de virar o bolo


o recheio e a cobertura, muito simples uma mescla de creme de confeiteiro e creme tipo chantilly



morangos cortados e uma nuvem de açúcar gelado



detalhe do topo




detalhe da lateral







o morango  cortado parcialmente e a partes ligeiramente deslizadas para dar este efeito






o bolo finalizado






vista parcial
 


vista do topo





Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

terça-feira, 24 de março de 2015

bolo de cenoura formigueiro da Sadhia e do Mauro

me enquadro naquelas cozinheiras que se atrevem a cozinhar de tudo, porém, como tudo na vida, tem coisas que são mais para " nosso bico" do que outras, quem adora cozinhar sabe disto.
todas tempos preferências, temos coisas que fazemos e não gostamos de fazer, tem outras que simplesmente não conseguimos fazer, pode ser o ponto de uma calda, a espessura do molho, a cobertura de um bolo, a textura de um pudim, enfim tem coisas que por mais que a gente se esforce, ou que seja até simples de ser feito, para a gente nunca fica como deveria ficar.
eu padeço desta situação com meu bolo de cenoura, sempre fiz muito e acertava sempre, mas de uns anos para cá perdi a mão, nunca mais tinha saído um bolo de cenoura respeitável da minha cozinha.
como se trata do bolo favorito do filho, sempre faço e erro, mas o filho come, o solado, o feio, o mais ou menos. e eu não desisto sigo tentando
bem, recentemente lendo um postagem da Sadhia, vi um bolo de cenoura lindo, cuja receita, segundo ela, era uma  certeira do Mauro Rebelo, e como a pequena Sadhia sabe das coisas, testei na mesma hora.
o bolo ficou perfeito, como a muito não acontecia por aqui.


bolo de cenoura formigueiro
fonte e texto daqui

Massa :

3 ovos eu (usei 4 pois os meus eram pequenos )
2 xícaras de chá de  açúcar 
2 xícaras de chá de  farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento para bolos 
100ml de óleo 
300g de cenoura cruas e picadinhas 
1 pitadinha de sal 
1 colher de sopa de Baunilha 
1/4 de xícara de chá de confeitos granulado

Modo de fazer a massa :

No liquidificador  coloque os ovos (eu peneirei as gemas odeio cheiro de ovo), as cenouras, o óleo e o sal e a baunilha. 
Ligue o aparelho e só desligue quando notar que bateu tudo, inclusive as cenouras.
Em uma tigela peneire os secos, coloque os granulados, junte a mistura do aparelho mexa bem  sem deixar pelotas de farinha, coloque  a massa em uma forma untada e enfarinhada e leve para assar.

nota desta cozinha
usei como cobertura um caldinha leve de achocolatado 

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

terça-feira, 17 de março de 2015

bolo de fuba caipira

gosto muito de bolos simples, e tenho enorme carinho por bolos de fubá, mas por razões que a razão desconhece nem tenho tantos postados.
este bolo de fubá talvez seja o mais simples de todos, fiz muito este bolo no forno a lenha, esta receita me acompanha por muitos anos, desde menina, a receita original tinha como medida um copo do tipo americano.
do tempo que o fubá era mais amarelo, que os ovos eram caipira de quintal e que somente se usava açúcar cristal.
bem, os anos passaram e eu adaptei o bolo as medidas de hoje e para facilitar uso um copo de iogurte vazio como medida, apesar de não levar iogurte.
sugiro que use o açúcar cristal, já fiz com refinado e o resultado da textura muda muito.
este  bolo que fica melhor em tabuleiro, uso uma assadeira media, untada apenas o fundo com manteiga e polvilho açúcar cristal e canela e depois de frio finalizo com açúcar peneirado.



bolo de fubá caipira
* medida copo vazio de iogurte

3 ovos
2 copos de leite a temperatura ambiente
meio copo de óleo
bater tudo no liquidificador por 3 mim
depois agregar 
2 copos de açúcar cristal
bater por mais 1 min
misturar 
2 copos de fubá
2 copos de farinha de trigo
2 colheres de sobremesa de fermento em pó
peneirar muito bem
despejar a mistura do liquidificador e misturar com um fouet ate ficar homogêneo, misture apenas o necessário para evitar que a massa fique pesada
asse em forno médio, por aprox 30 min



Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

terça-feira, 10 de março de 2015

camarão, amizade e conversa de compadres

esta postagem é cheia de ternura e saudosismo, apesar de ser pessoal achei oportuno compartilhar, aqui neste meu diário gastronômico virtual, afinal amizade e boa comida sempre rendem um texto, não é mesmo?
senta que lá vem história...
bem, em março do ano passado (sim já faz mais de um ano) avisei minha comadre e amiga de mais de trinta anos que na volta do porto de Santos, no retorno depois de embarcar a filha, passaria para conhecer o seu novo apartamento na capital, ela respondeu, ótimo e  rapidamente nos  convidou, jantam aqui então!
para matar a saudade dos velhos tempos que cozinhávamos juntas, ela deixou tudo preparado e entre um gole e outro de vinho, muito papo a comida foi nascendo.


como tudo na nossa amizade tem muitas passagens, e esta é apenas uma delas.
numa oportunidade qualquer comprei um pirex, bem simples, um para mim e outro para ela, e na foto ilustrativa da embalagem tinha a foto de um creme de camarão, possivelmente um strognoff, quando entreguei a embalagem disse a ela: Célia primeiro o pirex, um dia d estes eufaço o camarão, e camarão era algo corriqueiro, que tínhamos muito acesso, pois trabalhamos na maior exportadora de camarão do Brasil nos anos 80/90, mas por razões inexplicáveis, o  tempo passou, quase 28 anos para ser mais precisa, e nunca deu certo de fazer o tal camarão, por inúmeras vezes nos prometíamos o camarão, mas acabávamos cozinhando outras coisas, atendendo os desejos dos filhos, das festas, dos encontros e das convivências, e o camarão ia ficando para trás.


como tudo na vida, o tempo passou, as coisas mudaram, tomamos outros rumos.
porém, desta vez, assim que cheguei ela disse, hoje sai aquele camarão, está tudo aqui para você fazer, eu tentando ser o mais fiel a foto das minhas memórias, refoguei o o camarão na manteiga, depois de um ligeira escaldada, em seguida veio a cebola, um jorro de cognac, molho inglês, mostarda e pouco de catchup para dar uma cor.


cheiro verde e champignon  complementaram o refogado


por ultimo creme de leite, enquanto o arroz branquinho secava na panela ao lado



pronto aqui estava o creme, o mais fiel possível, a foto ilustrativa de muitos anos atrás


ela usou uma toalha linda toda feita a mão por outra amiga querida, amiga minha e cunhada dela, a Dirlei uma verdadeira artista, tudo que ela faz é de um capricho e uma perfeição ímpar.



a oportunidade merecia o esmero, até que enfim saiu o tal camarão!


foi um jantar sensacional onde pudemos matar as saudades, relembrar das nossas lutas, vibrar com as nossas conquistas ao longo dos anos, do tempos de inicio de casamento, da chegada dos filhos, das viagens em conjunto e acima de tudo reforçar uma amizade que já dura muito anos, que se estendeu aos filhos e que, certamente será por toda a vida, afinal, temos uma enorme sintonia, somos compadres, amigos, parceiros e cúmplices.

veja no detalhe desta foto o encanto que é o trabalho da Dirlei!

e para encerrar a noite um pudim de coco


com doce de leite lá da terra deles


teve vinho, mais vinho, café, bolachinha e muita agua e muita vontade que a noite não acabasse nunca, na verdade a noite acabou, saímos de madrugada de lá. 
e viva a amizade sincera, grata compadres por fazerem parte da minha vida, da vida da minha família e saibam que vocês, meu afilhado de verdade e meu afilhado de coração tem lugar cativo no meu coração.

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

sexta-feira, 6 de março de 2015

focaccia mista

somos em quatro, mas nem todos gostam dos mesmos sabores, normalmente faço duas focaccias assim agrado gregos e troianos, coisas de mãe... raramente faço focaccia mista, porém neste dia estava atropelada e sem tempo que acabei optando pela mista.











bem, já falei aqui que prefiro focaccias em assadeiras ovais ou redondas, acho que o crescimento é melhor


neste lado a cobertura levou molho de tomate fresco, pouco apenas para dar uma umidade e cor na massa, sardinhas sem pele e espinhas, azeitonas e queijo ralado












aqui molho de tomate, calabresa e queijo ralado



focaccia de azeitonas
fontes e  texto
Na Biroskinha
Alquimia na Cozinha da Vice



Ingredientes:

- 1 xícara de água morna
- 1 colher (sopa) de açúcar
- 1 envelope de fermento seco (usei 2 colheres de sobremesa)
- 1 colher (sopa) de azeite (usei 3)
- 3 xícaras (chá) de farinha de trigo
- 2 colheres (chá) de sal
- azeite para regar (e untar)



Modo de fazer:

Dissolver o fermento na água morna, acrescentar um pouco da farinha da receita até virar um mingau, deixar crescer.**
Depois de crescido, acrescente os outros ingredientes, amasse muito bem.
Deixar a massa repousando por 1 hora.
Depois disto trabalhar a massa com a palma das mãos, retirando as bolhas de ar.

Deixar descansar mais 10m. Abrir a massa em uma forma untada, e com a ponta dos dedos faça marcas sobre a massa, coloque o molho de tomate e monte a sua cobertura desejada, salpique orégano, regue com bastante azeite.
** eu prefiro misturar o fermento aos secos e depois juntar os líquidos e trabalhar a massa.


Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

quinta-feira, 5 de março de 2015

salada de macarrão

ainda temos dias muito quentes, portanto refeição simples, colorida, leve e fresca, sempre vai bem!


gosto muito de combinar frutas frescas e folhas nas saladas de macarrão, mas atenção, isto só vale se for para ser consumida na hora



para a salada, macarrão cozido ao dente, cenoura ralada e tomates picadinhos


para temperar, azeite, sal, mostarda, iogurte e  mel






















um raminho de manjericãosó para dar uma cor


para servir um pouco mais molho do tempero e azeite na mesa para quem quisesse dar um reforçada no sabor.


Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

segunda-feira, 2 de março de 2015

baby beef com batata doce na panela de pressão

bem, quem tem filhos que frequentam a academia sabem que a tal batata doce é uma constante na alimentação. aqui em casa não é diferente.
sempre fiz muita batata doce, gosto muito, simples apenas cozida com um bom azeite era minha receita favorita até descobrir esta.
falando em azeite, e em bom azeite, esta foi a minha primeira experiência usando o azeite Cirio da Sandeleh Alimentos.
o azeite é maravilhoso, denso, super aromático, perfeito para quem gosta de cozinhar com azeite, como é o meu caso.
o azeite, jovem de sabor frutado, conferiu muito mais sabor a minha simples batata doce, recomendo muito.
 
















já um bom tempo atrás vi uma postagem no blog da minha querida amiga Rachel, Na Biroskinha, onde ela postou uma receita de batatas inglesa assada na  panela de pressão, (sem usar nada de água) li ainda pela manhã e logo fiz no almoço, achei sensacional pela praticidade e sabor. por razões inexplicáveis, ou por talvez ser algo tão simples que acabei nunca postando.

porém resolvi testar a receita usando batata doce, ficou incrível, é a adorada aqui em casa agora, muito rápida e perfeita para uma refeição leve.

como bem disse a Rachel, como cozinheira que somos, somos inconformadas partimos sempre para um experimento a mais, no meu caso além de usar batata doce, acrescentei orégano, sal e azeite extra virgem.
muita gente ainda tem dúvida em empregar azeite para cozinhar, mas para estas batatas o azeite faz toda a diferença, é fundamental, experimente!
no caso da batata doce, sugiro que sejam sem casca e dependendo do tamanho dos pedaços não é necessário mais do que 3 minutos depois que a panela chiar.
para batata comum e pequena são 4 minutos, pode se usar com casca também, costumo usar alecrim ou tomilho limão, sal e azeite extra virgem, fica sensacional também.
em ambos os casos, costumo usar a pimenta em grãos moída na hora.
como podem notar, fica uma batata enxuta porém muito aromática, já que o único meio liquido utilizado foi o azeite que se funde perfeitamente durante cocção.
este azeite Cirio, é recomendando para cozinhar, não que você não possa usar para temperar, ele cumpre com galhardia o seu papel nas saladas também!
teste e me conte o que achou.


batata doce na panela de pressão

lave, tire as cascas, corte as batatas, tempere com sal, azeite extra virgem a gosto e orégano, sacuda a panela e leve ao fogo, quando chiar conte 3 minutos, deixe sair o vapor, sacuda a panela e pronto.

***atualização da postagem

achei oportuno compartilhar alguns comentários que recebi via facebook, de pessoas que fizeram e a aparência não ficou igual a do post, eu particularmente nunca tive este problema, porem vale a pena considerar alguns fatores:
  1. meu fogão é a gas e uso sempre a boca menor
  2. uso panela de pressão clock de 4 litros e nigro de 4 litros
  3. as panelas podem variar muito no tempo de cocção, isto depende de panela para panela, por exemplo, na clock cozinho feijão em 20 min na nigro em 15 mim, uma tem fundo estreito e a outra largo, e isto tem influencia, depende da sua avaliação, de conhecer sua panela, assim como forno tem variações sim
  4. recomendo escorrer bem a batata para não sobrar liquido na panela, já que objetivo é batata assada e não cozida, portanto lavar a batata na peneira ou escorredor para não deixar com excesso de liquido
  5. caso prefira pedaços pequenos diminua o tempo de cozimento, teste e se for o caso ligue mais um minuto
  6. assim que a panela parar de chiar, abra e tire, pois se deixar na panela vai formar um microclima de muita umidade e vai acabar atrapalhando o objetivo que é batata assada
  7. como estamos falando em produtos que vem da terra e de regiões diferentes, provavelmente  a variedade da batata in natura altere mesmo o tempo de cozimento
  8. quando for comprar batatas doce prefira as que não tenham manchas na pele, nem pelinhos que indicam que estão mais velhas já querendo brotar, devem ser firme ao toque, sem rachaduras ou pequenas pintas. guarde em local fresco e seco. nunca no geladeira. 
  9. recomendo descascar as batatas pois nem todas são retas e tem entranhas
  10. quanto a quantidade de azeite é  a gosto, mas apenas como sugestão indico para 500 g 4 colheres de sopa de azeite extra virgem
  11. os melhores resultados são com quantidades que cubram o fundo da panela e algumas superposições, não recomendo muitas camadas

o baby beef que acompanha foi temperado com molho de soja, um fio de azeite extra virgem e sal grosso moído no moedor, depois de 5 minutos foi grelhado.



Bookmark and Share
Print Friendly and PDF