para compartilhar sabores e lembranças olfativas daqui e de outras terras...como o nhoque da nona, o arroz com bacalhau de vovô, as almondegas de minha mãe, o risoto de linguiça do meu pai, o thanksgiving dinner da mammy, o german chocolate cake da cindy, o doce de leite de tia mercedes, o doce de cidra da aninha, o doce de mamão da célia, o doce de pera da margarida, as pimentas da celha, os bolos da semiramis, os patês da rosana e por ai vai....


sábado, 15 de agosto de 2015

pão de rustico de trigo hidratado #131

mais do mesmo...
o velho e bom pão de trigo hidratado.
se você quer um pão com um toque rustico aposte nesta receita, fica ligeiramente adocicado mas muito bom para acompanhar uma caponata, queijos e aquele seu patê favorito. 
perfeitinho para acompanhar o lanche ou entradinha de refeição.














pão de trigo hidratado

1a. parte
1 xícara de chá de trigo para quibe
2 xícaras de agua para hidratar o trigo
(se desejar agilizar o processo use agua morna)
reserve por pelo menos 1 hora até que o trigo tenha absorvido toda agua.
não precisa espremer, no mesmo bowl agregue 3 colheres de óleo de girassol, 1 colher de sopa de sal 3 colheres de sopa açúcar mascavo e mais 1 xícara de chá de agua, misture bem.

2a. parte
separadamente misture 2 colheres de sobremesa de fermento seco biológico com 3 xícaras de farinha de trigo, junte a farinha no blowl com a mistura da primeira parte.
misture até obter uma massa homogênea, se necessário agregue um pouco mais de farinha de trigo durante a sova e deixe descansar por 30 minutos até dobrar de volume.

3a. parte
abaixe a massa, sove mais um pouco, apenas para tirar o gás da massa, molde os pães como desejar, faça cortes, polvilhe farinha e deixe crescer novamente, asse em em forno moderado por aprox 30 minutos.


Bookmark and Share

Print Friendly and PDF

sábado, 8 de agosto de 2015

risoto de maçã verde e aspargo

para quem curte um risotto branquinho e bem leve...
aposte neste, tenho certeza que não deixará a desejar

a cremosidade vem do queijo e do creme de ricota

gosto muito de um toque doce, por isto as uvas passas, porém são opcionais.
sei que muita gente detesta! 




risotto de aspargos e maçã verde


para cada xícara de arroz uso aproximadamente um litro de caldo de legumes caseiro aquecido
dourar a cebola picadinha em uma colher de sopa de azeite extra virgem com 1 colher de sopa de manteiga, juntar na cebola 1 xícara de arroz carnaroli e ir fritando lentamente tomando cuidado de não queimar a cebola, quanto mais fritar o arroz, melhor fica o risotto, depois agregar 1/4 de xícara de vinho branco seco* e deixar evaporar. 

em seguida começar a juntar o caldo de legumes as conchadas e deixando cozinhar e evaporar (método normal de se fazer risoto) mexendo sempre, depois da terceira ou quarta conchada de caldo de legumes, previamente aquecido, juntar 1/3 xícara de uvas passas e  os aspargos cortados (usei em conserva), quando cozimento estiver quase completo, juntar as maçãs, mexer levemente e  por ultimo juntar 2 colheres de manteiga, 4 colheres de sopa  creme de ricota e 1/4 de xícara ( ou mais) de parmesão ralado.
deixar descansar por 5 minutos e servir.
* se você não tiver vinho aberto, use vodka ou até mesmo cachaça

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

creminhos e folhado

não é porque é sopa que o prato tem que ser feio.
eu adoro sopa, mas curto uma sopa bem apresentada, fica mais apetitosa!
servi assim creme de milho e creme de cenoura escoltadas pelo folhado


montei um folhadinho (massa comprada pronta) recheado de queijo e calabresa 


o creminho de cenoura ganhou lascas de queijo parmesão


folhadinho bem simples, com calabresa processada que sempre tenho no freezer e um pouco de queijo


o creme milho com cebolinha salpicada

Bookmark and Share
Print Friendly and PDFa

sábado, 1 de agosto de 2015

tapas, crostines, bruschettas ou pão torrado

pode ser qualquer coisa....
eu prefiro chamar de tapas, talvez pela doce lembrança da primeira vez que estive em Barcelona no final dos anos 70. 
comer tapas faz parte da tradição espanhola historiadores dizem que o costume de "tapear" veio do habito dos espanhóis de tomarem uma "bebida" depois de saírem do trabalho e para forrar o estômago os bares ofereciam as tapas, outros dizem que o nome surgiu pela necessidade de "taparem" os copos, ainda tem que, diga que o costume veio por influencia dos árabes de comerem aperitivos em porcões pequenas.
bem, as minhas tapas favoritas (qualquer aperitivo pode ser chamado de tapas) são com pão e muito azeite espanhol seja o que for, foi assim que comi, pela primeira vez, em uma da "ramblas" de Barcelona.
 
o primeiro passo é temperar os tomates com sal, pimenta orégano e azeite

o segundo passo é fatiar o seu queijo preferido 


o terceiro passo é pincelar azeite em cada lado do pão, uso o meu pão caseiro no knead bread, mas pode ser ciabatta, filão francês ou pão italiano alongado, não recomendo baguete, acho que a "tapa" fica dura, já que se trata de um pão fino.
aqueça uma frigideira de tefal ou grelha e leve para dourar ligeiramente o pão dos dois lados, deixe o lado mais claro para baixo, coloque o queijo e as rodelas de tomate, deixe em fogo baixo até o queijo comece derreter.
sirva conforme a tradição com um bom azeite e uma "bebida".

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

sexta-feira, 3 de julho de 2015

crostata

a crostata pode ser uma boa opção para um aperitivo de final de semana.
os pedaços quebrados ficam perfeitos se servidos acompanhados de uma pastinha simples ou até mesmo apenas de azeite aromatizado com lascas de alho e uma pimenta rosa.
a minha assei no forno a lenha...
porém, caso você não tenha forno a lenha, não fique triste você, poderá fazer esta receita na frigideira de teflon no topo do fogão em fogo extra baixo ou no forno convencional.
dicas:
  1. o acabamento fica a seu critério conforme o que você for servir, a da foto levou azeite e uma misturinha de orégano, sal grosso e pimenta calabresa moída
  2. dividir a massa conforme a forma que você escolher para assar a sua crostata
  • para frigideira de 13 ou 15cm são 8 bolas 
  • para forno convencional na assadeira de pizza pequena são de 3 a 4  bolas  
  • para forno a lenha são 4 bolas 

crostata 

- 1 1/2 copo (americano) de água morna
- 2 colheres (sopa) de azeite extra virgem 
- 1/2 colher (sopa) de sal 
- 1/2 colher (chá) de açúcar 
- 1 colher (sopa) de cachaça para dar crocância 
- 1/2 kg de farinha de trigo (ou mais)
- 2 colheres de chá de fermento biológico seco ou 15 g (1 quadradinho)

misturar 2 colheres de chá de fermento biológico seco, em parte da farinha de trigo, juntar o resto dos secos, agregar os líquidos, sovar, deixar descansar até dobrar de volume, amassar novamente e fazer as bolas em tamanho iguais para o segundo crescimento.

para dividir a massa faça o seguinte:
corte a massa na metade e cada metade, corte em dois e assim por diante até você chegar na quantidade desejada
depois de dobrar de volume, abrir as massas com rolo, pincelar azeite e dar o acabamento desejado.


Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

segunda-feira, 29 de junho de 2015

pão de leite # 130

raramente faço pães com leite...
prefiro fazer pães com agua, quanto mais simples melhor.
nunca tomo leite quente, alias ninguém toma leite quente aqui em casa, porém fervi leite dia destes para servir café com leite para uma visita e   sobrou algo como um copo.
como não suporto o cheiro do leite fervido, reservei separado para fazer pão.
o resultado foi este pão super macio!




















pão de leite


  1. aqueci o leite aproximadamente 250 ml com 3 colheres de azeite
  2. bati ligeiramente um ovo com 3 colheres de sopa de açúcar e 1 colher de sobremesa de sal
  3. misturei 2 xícaras de farinha com 1 colher de sobremesa de fermento seco biológico e reservei 1 xícara extra de farinha para sovar
  4. juntei o leite ao ovo 
  5. agreguei a farinha e fermento
  6. misturei até forma uma massa homogênea
  7. usei mais ou menos 1 xícara para o processo de sova
  8. deixei crescer até dobrar de volume
  9. moldei os pães e assei em forno médio

















prefiro o acabamento com farinha, mas se você preferir pode pincelar gema


Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

sexta-feira, 19 de junho de 2015

focaccia frango

sabe aquela sobrinha de frango...coisa de quase uma  xícara de frango desfiado, aqui não vai para o lixo, vai para o freezer.
só esperando sobrar purê de batatas para virar uma focaccia de batatas



depois é só agregar um pouco de cebola, cubinhos de tomate e regar com um bom azeite, pronto!

focaccia
massa:
1 xícara de purê de batatas
3/4 de xícara de óleo ou azeite
1/4 de xícara de leite morno
500 g de farinha de trigo (aproximadamente)
2 colheres de chá de fermento seco biológico
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de sobremesa de sal
( o purê já tinha temperos)

misturei os secos e reservei. dilui o purê no leite morno, juntei o azeite e agreguei a farinha preparada reservada aos poucos, misturei e sovei apenas o suficiente para agregar e formar uma bola, untei uma tigela e deixei crescer.
em seguida do crescimento, abaixei a massa para tirar o ar e coloquei numa assadeira redonda untada generosamente com azeite, acomodando a massa empurrando para as bordas.
enquanto a massa descansava na assadeira fui preparar a cobertura. picar grosseiramente a cebola e os tomates e temperar com sal e orégano.
o período curto de descanso da massa é muito importante para relaxar o glúten e irá facilitar muito para espetar as coberturas e ir direcionando a massa para as bordas da assadeira, depois de coberta, deixei crescer novamente, pincelei azeite, polvilhei sal grosso e assei em forno médio até corar.



Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

quinta-feira, 18 de junho de 2015

kitchen tools

e os amigos me ajudam a equipar cada vez mais a minha cozinha...

dank, adorei Juliane!


origem : Ikea Portugal

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

domingo, 7 de junho de 2015

ai, ai, ai...mais um aniversário

o tempo está  voando, muito mais rápido do que eu gostaria...
mas faz parte da vida, amadurecer e envelhecer.
para hoje eu só quero saúde, paz, harmonia e força para enfrentar os desafios, as doçuras e as emoções da vida.

 
 
"A existência é um sopro na eternidade.
Um não sei quê de aventuras e desventuras.
Um dia o coração aperta de alegrias.
Noutro aperta de saudades.
Nesse descompasso entre a efemeridade da vida e o desejo por mais tempo… Somos tragados por ilusões bobas e desperdícios intensos de energia. 

Poucos sabem existir além do óbvio, do previsível, do comum. 
Mas a vida não negocia. Acontece.
Quanto mais consciência tivermos sobre
essa realidade absoluta e incorruptível…
Maior será a intensidade da entrega em cada instante respirado.
Os ponteiros do relógio marcam as horas.
As emoções bem vividas esculpem a vida. "

- Lígia Guerra -




Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

quinta-feira, 4 de junho de 2015

pão de mandioca # 129

dizem que a mandioca cozinha melhor quando não chove, se é verdade não sei, só sei que tenho comprado muita mandioca e raramente tenho problemas.
normalmente cozinho fora da pressão e sem sal, gosto de servir bem quentinha apenas com azeite e sal.
mas de vez em quando faço um purê de mandioca temperadinho com cheiro verde, para servir de acompanhamento para uma carne de forno.
quando sobra purê, vira pão, isto é sagrado!
servi recheado com carne seca, rúcula e queijo derretido. ficou bom demais!

















pão de mandioca

1 e 1/2  xícaras de purê de mandioca
1/2  xícara de leite
1/2 xícara de agua
1 ovo
2 colheres de sopa de leite em pó
1 colher de sobremesa de sal
1/2 xícara de azeite
1/2 xícara de açúcar
2 colheres de sobremesa de fermento biológico seco granulado
farinha o quanto baste, aprox 5 e 1/2 xícaras

  1. misture parte da farinha ao fermento e aos demais secos
  2. misture bem o purê de mandioca com o ovo, a agua, o leite e o azeite
  3. agregue a mistura da farinha e os líquidos alternadamente
  4. junte o resto da farinha
  5. sove a massa, fica uma massa bem delicada
  6. deixe crescer até dobrar de volume, abaixe a massa sove mais um pouco
  7. modele os pães e deixe crescer novamente
  8. asse em forno médio

Bookmark and Share
Print Friendly and PDF


terça-feira, 2 de junho de 2015

pimentão recheado

nem todos gostam de pimentão...mas quem gosta, gosta de verdade.
como já comentei em outras oportunidades aqui no blog, passei a minha vida trabalhando com alimentos e tive a oportunidade de viajar muito e sempre me interessei pelas cozinhas locais, peles hábitos gastronômicos no mundo afora. o pimentão é sempre muito presente, alguns países usam muito como tempero, outros em preparações como pizza, vinagrete, temperos de feijão, grelhados, saladas, enfim,  sempre tem presença garantida aqui e acolá.
na minha cozinha uso muito para temperar frango e carne de porco de panela, costumo colocar uma banda, junto alho, cebola e tomate, dá cor e um sabor muito especial.
no meu caldinho de feijão não pode faltar cubinhos de pimentão, asso junto com batatas e cebolas rendendo um delicioso acompanhamento para carne, uso bastante para rechear pães especialmente quando uso calabresa.
bem, quando encontro pimentões em formatos regulares  logo penso em fazer recheados.
a ideia era fazer uma postagem completa, tive super boa intenção, deixei até um sem tampa para visualizar o recheio, só que algo me atrapalhou neste dia e foi-se meu plano de postagem, restando apenas esta foto.

















pimentões recheados


  1. lave bem,corte a tampa com cuidado e retire o miolo, deixe escorrendo enquanto prepara o recheio
  2. refogue carne moída bem temperadinha, usei 300 g
  3. cozinhe 3 ovos
  4. cozinhe 3 batatas médias e amasse assim que cozinhar
  5. junte as batatas amassadas com a carne moída e por ultimo junte os ovos picadinho, misture delicadamente
  6. recheie os pimentões e feche com tampinha e espete um palito para segurar
  7. coloque em pé, bem ajustados num panela regada com um fio de azeite, de forma que fiquem apertadinhos
  8. leve ao fogo baixo e vá pingando agua bem aos poucos, mantenha a panela tampada e olho vivo para que não queime, siga pingando agua conforme necessário, o ideal é usa uma chaleira com bico fino assim você despeja a agua quente entre os pimentões
Bookmark and Share
Print Friendly and PDF

segunda-feira, 25 de maio de 2015

saltimbocca, ao meu modo, com pasta route

postar receitas reconhecidas mundialmente sempre trazem um certo risco...
na verdade, as receitas vão sendo adaptadas as particularidades do país, do paladar, da disponibilidade de tempo, de produtos etc.
bem, acabam sendo um outro prato apenas inspirado no original, sou super a favor de adaptações.
a minha versão não é nem do Lázio nem alla romana, nem tão pouco de vitela, mas nem por isto deixa de ser saborosa, pelo menos para o nosso paladar!
gosto de servir com pasta na manteiga ou com risotos.

para o molho uso vinho do porto ou vinho de sobremesa, sendo este  ultimo, o meu favorito


fica perfeito com tinto italiano, mas um frisante também acompanha bem


a pasta daqui de casa é sempre grano duro e bem "al dente", manteiga, sal, pimenta branca e pronto


neste dia não tinha sálvia


na falta da sálvia, a cebolinha verde deu um toque de cor

saltimbocca


  1. temperei os bifes de miolo de alcatra com sal (bem pouco), pimenta moída na hora e um fio de azeite
  2. coloquei de um dos lados uma fatia de presunto crú preso com palitos, se tivesse sálvia, usaria neste momento
  3. num frigideira quente leve o bife para corar ligeiramente do lado do presunto, quando corar, vire e deixe acabar o cozimento ao seu gosto apenas de um lado
  4. aqueça uma outra frigideira e transfira os bife para esta frigideira, tampa para que não perca calor
  5. neste processo o bife ira liberar suco, não descarte
  6. rapidamente na frigideira que você fez os bifes, coloque um pouco de mostarda (use a sua preferida), um tico de manteiga e creme de leite (uso de caixinha), raspe para desprender "o fundo do grelhado"
  7. quando ferver volte cuidadosamente os bifes para a frigideira e agregue o suco que a carne desprendeu, aqueça e sirva em seguida, colocando um pouco do molho sobre os bifes ou a lado deles
Bookmark and Share
Print Friendly and PDF